Menu Principal

Anúncio Infeed

Por que não me considero um mochileiro?

Primeiramente, vamos analisar a imagem abaixo e entender o que é um Mochileiro.


De acordo com eles próprios [e com o Google]Mochileiro é um viajante independente, que organiza suas viagens por conta própria, dando ênfase ao conhecimento, aventura e diversão. Geralmente, utiliza meios de hospedagens mais econômicos e costuma fazer viagens mais longas.

[A partir daqui estarei colocando o meu próprio ponto de vista]

Nisso, vale ainda lembrar que alguns adoram realizar viagem sem data para voltar, consideram que viajar com agências de turismo é quase uma blasfêmia e parecem que têm como maior inimigo do mundo a agência da CVC Viagens e criticam de maneira quase feroz aqueles que por algum motivo não se deram bem ou não gostaram de algum destino que eles já visitaram alguma vez e tiveram uma excelente viagem por lá.


Dito isso, estarei colocando abaixo os motivos do porquê eu não me considero como um Mochileiro.

Usar Pacotes Turísticos:

Tenho um costume de viajar mais usando pacotes turísticos do que por conta própria, visto que moro na região metropolitana de BH e aqui conta com excelentes agências de turismo. E, ao menos em minhas contas, muitas vezes fica mais barato, confortável e seguro viajar dessa forma do que por conta própria.

CVC

Simplesmente não sou capaz de entender porque muitos Mochileiros possuem tanta raiva da CVC. Várias pessoas da minha família e conhecidos já viajaram por pacotes de turismo de lá e fizeram excelentes viagens. Eu, inclusive, cheguei a fazer um intercâmbio com eles e tive uma experiência excelente. É raro observar alguém que viajou com a CVC reclamando de sua viagem.

"Enquanto você está reclamando do Turista CVC, ele continua fazendo as viagens dele e conhecendo mais do Brasil e desse mundo tão incrível"


Ao menos por aqui na região metropolitana de BH, além da CVC ainda existem excelentes agências como o SESC  e a SÃO JOSÉ VIAGENS, que também são ótimos pedidos para quem deseja conhecer novos lugares, tanto a nível nacional quanto internacional. E é claro que a nível de Brasil também podemos contar com outras Agências que também são excelentes, mas que não vou citar aqui porque não conheço elas ainda.

Viagens para Turismo de Massa


Pelo menos em minha opinião, ir para lugares mais badalados como Copacabana, no Rio de Janeiro, Porto Seguro (BA) ou outro destino mega-abarrotado de gente não tem nenhum problema. Qual é o mal em conhecer mais algum lugar novo?

Muita gente reclama que o povo é que polui tudo, principalmente em cachoeiras, e é certo que no meio desse bolo uma penca de gente também foi ali por conta própria e sequer precisaram de utilizar alguma agência de turismo, mas mesmo assim jogou seu lixo no chão e contribuiu para deixar tudo um pouco mais sujo.

O problema aqui não está nas agências em si, e sim nessas pessoas desordeiras que estão fazendo esse tipo de coisa.


Então o turismo realizado pelas agências é sempre para lugares lotados e comuns?

Nem sempre. É claro que existem mais pacotes para os lugares mais frequentados, mas também é possível realizar outros tipos de turismo para lugares mais ermos ou que não sejam tão lotados, como Parques e Reservas Naturais, aldeias indígenas, turismo gastronômico e por aí vai.

Quem escolhe o local que vai viajar é o viajante, basta apenas a ele decidir se quer ir para um lugar mais cheio de gente ou não.

Caminhos pré-determinados

Realmente, na maioria das vezes os caminhos são pré-determinados, mas nada impede que a pessoa saia do tradicional e faça o que ela quer, principalmente nos dias que as agências costumam deixar livres para o viajante.

E temos de lembrar ainda que o que elas oferecem são opções a mais, então é possível melhorar e incrementar o seu roteiro, principalmente se for a primeira vez que estiver indo lá. Como a agência atua na região, ela pode de oferecer dicas valiosas que poderão deixar seu passeio ainda mais perfeito.

E ainda com relação a isso, a agência de turismo é uma ótima ferramenta para nos ajudar a resolver perrengues que seriam a maior dor de cabeça se a pessoa estivesse indo por conta sozinha e por conta própria.


Viajar sem Agências de Turismo é errado então?

Não. Da mesma forma que viajar com elas também não é errado. Acredito que devemos fazer o que melhor convier na hora, o viajante é quem deve decidir isso.

Ter data pré-determinada para ir e voltar

Como a maioria dos brasileiros normais, infelizmente não posso me dar ao luxo de sair sem ter uma data pré-determinada para voltar, pois disponho de pouco tempo livre devido ao meu trabalho, cursos que faço e problemas do dia-a-dia que preciso resolver.

É muito bonito ver na internet histórias de pessoas que largaram tudo, deram a volta ao mundo durante alguns anos e tals. Mas também devemos lembrar que a realidade pode ser muito cruel e que por trás dessas fotos lindas muitos desses viajantes também passaram verdadeiros perrengues por conta de dinheiro e outros, quando voltaram, ficaram com sua carreira profissional arruinada e passaram por dificuldades durante muitos anos devido a esse momento "vida louca" que tiveram em suas vidas.

No meu caso prefiro manter meu emprego e as contas em dia e viajo somente quanto tenho disponibilidade de tempo e uma parte do dinheiro da viagem já no banco. Acho que não existe nenhum problema em fazer isso e não deixarei de ser um bom viajante apenas por ter horário para voltar para casa.

Ao menos para mim,

"... voltar para casa também faz parte da viagem!"


Turista que viaja por pacote não posta de volta o que descobriu e não contribui com a sociedade na internet?

Nem sempre, afinal, nenhuma pessoa possui a obrigação de postar coisas na internet só porque os outros querem se manter mais informados. Dizer que uma pessoa que viajou de pacote de turismo não conheceu nada sobre o seu destino também é uma grande mentira, pois ela com certeza vivenciou coisas novas, interagiu com o pessoal desse lugar e aprendeu mais sobre esse destino.

Só o fato de podermos sair de nossa rotina estressante do dia-a-dia, seja por conta própria ou não, ter a oportunidade conhecer outra cidade, Estado, país ou uma cultura diferente e voltar com novas histórias para contar já é uma excelente experiência que poderá nos marcar por toda a vida.


Não respeitar as más experiências


De todos os assuntos abordados até agora, para mim esse é o mais sério: Já vi muitos Mochileiros mais experientes [e outros nem tanto] criticando horrores aqueles que falaram que não gostaram de algum lugar porque tiveram uma experiência ruim por lá.

Vou citar, por exemplo, o caso que li no Fórum de uma pessoa que relatou que viajou sozinho para a Bolívia, sofreu do Soroche, o temível mal da altura, ficou por quase um mês no hospital de lá e depois disso ficou com sequelas para o resto da vida.


Para quem não sabe, o mal da montanha, também conhecido como Soroche, doença das alturas ou hipobaropatia, é uma doença condição patológica relacionada com os efeitos da altitude nos seres humanos, causada por exposição aguda à baixa pressão parcial de oxigênio a altas altitudes. Ocorre normalmente acima dos 2.400 metros de altitude.

Possui sintomas variados, que podem apresentar-se através de gripe, envenenamento por monóxido de carbono ou até mesmo uma ressaca. É difícil de determinar quem será afetado pelo mal da montanha, uma vez que não há fatores específicos diretamente implícitos na susceptibilidade de vir a sofrer a doença. Contudo, a maioria das pessoas é capaz de subir até os 2.400 metros de altura sem dificuldade.

O mal da montanha agudo pode evoluir para um edema pulmonar de grande altitude ou um edema cerebral de grande altitude, ambos potencialmente fatais.

Fonte Pesquisada:

Voltando ao que eu estava contando, essa pessoa tinha motivos mais do que suficientes para não gostar de lá, pois sofreu muito e suas sequelas foram para o resto da vida. Ao invés de dar apoio e solidariedade ao rapaz, o que vi foi uma enxurrada infinita de chingos e críticas, pessoas dizendo que ele era um fracassado e que merecia ter sofrido isso, pois tudo aconteceu por sua própria culpa, numa verdadeira enxurrada de ignorância, preconceito e desrespeito com esse cidadão.

E infelizmente esse não foi o único caso que vi nos fóruns, porque esse tipo de coisa era relativamente comum e aqueles que se julgavam um pouco mais "experientes" ou "superiores" criticavam, xingavam e difamavam sem dó nem piedade aqueles que relataram suas más experiências, seja qual fosse o destino.

É por essas e outras que não me considerado como um Mochileiro, sou apenas um viajante comum, ou para muitos, um turista estilo CVC. Algo que me orgulho muito e não sinto vergonha nenhuma de ser, lembrando que não utilizo somente a CVC para viajar, e sim a agência de turismo que estiver com a programação mais legal e em conta no momento, além de, claro, também variar um pouco e fazer algumas viagens por conta própria de vez em quando.

O Brasileiro está muito binário, nem sempre preciso ser um ponto preto ou um ponto branco, às vezes quero ser apenas um ponto cinza.

E para terminar, só tenho a dizer mais isso:

Dollynho, você pisou na bola!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo

Anúncio In-article